O dia em que meu casamento acabou


Ela estava atônita. Durante todo o namoro tinha suportado dividi-lo com a televisão. Casaram-se. A bendita ficou instalada na sala. Mas agora ele havia cismado de levá-la para o quarto. O único lugar que era só deles. Isso não podia acontecer.
Foi até à sala, sabia que ele estaria lá, no lugar de sempre, do jeito de sempre, deitado, melhor, esparramado no sofá, assistindo à TV.
- Quanto ela custou? - indignada apontado para a televisão.
- Uns quinhentos reais... – sem sequer desviar o olhar.
Voltou para o quarto, abriu uma das seis portas do guarda-roupa cor de mogno, estava ali seu objeto de metal mais precioso, uma latinha de bombons que hoje servia pra juntar moedas e dinheiro trocado. Contou: “quinhentos reais! E ainda sobra um troco”.
Encontrou a mesma cena quando retornou à sala. Puxou a tomada, desligou a rival.
- Por que você desligou a TV? - ao sair da inércia.
- Vou levá-la lá pro quarto. – com voz de
vilã de novela.
Custando a carregar o peso, caminhou para quarto. Primeiro, botou o aparelho encima da cama cor de mogno do casal. Foi à janela. Olhou para baixo, ninguém na calçada. Eles moravam no 303 de um prédio que era o último de uma rua sem saída num bairro residencial e que não tinha vizinhos de frente. Portanto, quase não havia movimento. Àquela hora: três da tarde de uma quinta-feira útil, nem formigas devia haver na calçada. Perfeito para a execução do plano. Atirou a TV pela janela.
- Que barulho foi esse? – gritou ainda jogado no sofá.
- Num sei, deve ser na construção ao lado. – calma e aliviada.
Pegou vassoura, pázinha e saco de lixo na área de serviços e desceu para dar um enterro digno àquela com quem rivalizara a atenção do marido por tantos anos.
Juntou os pedaços do que nunca mais ficaria inteiro. Botou tudo dentro do saco preto de lixo e colocou na lixeira. Higienicamente.
Voltou pro apartamento. Arrumou as roupas e alguns objetos pessoais dentro de uma enorme mala rosa-choque de rodinhas. Pegou a latinha que foi de bombons e agora e´ de dinheiro. Olhou pro guarda-roupa cor de mogno, pra cama de casal cor de mogno e pra cômoda cor de mogno, encima da qual, ele queria entronar a falecida.
Ao passar pela sala, colocou quinhentos reais encima da estante cor de mogno.
- Aonde você vai? – quase dormindo.
- Ali.
“Mesmo com esta mala, nunca desci estas escadas tão leve.”

Imagem: Flickr/Creative Commons: Jeff Belmonte

btemplates

2 comentários:

Lara Carlette disse...

Oh Dani,

muito bacana seu blog!

Grande Beijo pra vc!

Daniela Fonseca disse...

Oi querida! Muito obrigada, Lara.

Postar um comentário

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...